25 de dezembro de 2008

... pra recomeçar...





Eu te desejo não parar tão cedo
Pois toda idade tem prazer e medo
E com os que erram feio e bastante
Que você consiga ser tolerante

Quando você ficar triste
Que seja por um dia, e não o ano inteiro...
E que você descubra que rir é bom,
mas que rir de tudo é desespero...

Desejo que você tenha a quem amar
E, quando estiver bem cansado,
Ainda exista amor pra recomeçar,
Pra recomeçar...

Eu te desejo, muitos amigos
Mas que em um você possa confiar
E que tenha até inimigos
Pra você não deixar de duvidar...

Desejo que você tenha quem amar
E, quando estiver bem cansado,
Ainda exista amor pra recomeçar,
Pra recomeçar...

Eu desejo que você ganhe dinheiro
Pois é preciso viver também.
E que você diga a ele, pelo menos uma vez,
Quem é mesmo o dono de quem...

Desejo que você tenha a quem amar
E, quando estiver bem cansado,
Ainda exista amor pra recomeçar
Eu desejo que você tenha quem amar
E, quando estiver bem cansado,
Ainda exista amor pra recomeçar...
(Frejat)

18 de dezembro de 2008

Já conhecias essa?? : )

Então...
A partir de hoje, acrescento um novo espaço no 'reggando'...

Já perceberam, né? Aí do lado... "Bom som"...
Levo um tempo maior que o normal pra aprender a usar a tecnologia e os softwares à meu favor, mas, no meu ritmo e no meu tempo, acabo aprendendo... Hehehe...

A idéia inicial é compartilhar coisas novas (novas ao menos pra mim!!) e, também, relembrar coisas que já foram compostas num tempo que chamam 'passado' e que ficaram eternizadas... na nossa memória, no nosso coração, enfim... : )
Três "bons sons" por semana? Fica bom?

Começo com uma música do Papas, que ouvi por acaso hoje, na UniãoFm... Novidade mesmo! Não conhecia. "O Amor se Escondeu"...

"Palavras do Coração", interpretada por Bruna Caram, foi um presente da Laurinha... Essa menina sempre apronta boas coisas pra mim... ;)

"Podes Crer", do Cidade Negra... Bem... Hum... Dispensa comentários, né? É uma música querida... E se tornou mais querida, porque também "ganhei" ela de presente... ;)


"O Amor se Escondeu"

Eu tenho um barco para navegar

As água turvas de uma paixão
E uma rede pra gente deitar
A noite inteira de papo pro ar
Pra você sonhar
E não ter medo do amor
Pra você guardei
Do melhor desse lugar
Veja só minha menina
O amor se escondeu
Numa estrela tão brilhante
O amor se escondeu
Eu tenho um plano pra gente fugir
De tudo isso e não olhar pra trás
Por uma estrada onde ninguém nos vê
Do horizonte que não tem mais fim
Pra você sonhar
E não ter medo do amor
Pra você guardei
Do melhor desse lugar
Veja só minha menina
O amor se escondeu
Numa estrela tão brilhante
O amor se escondeu
Veja só minha menina
O amor se escondeu
Numa estrela tão brilhante
O amor se escondeu...

(Papas da Língua)

13 de dezembro de 2008

Um trechinho...

"Badruddin Hasan, meu filho, a primeira recomendação é:
- não tenha intimidade com ninguém e assim escapará de acidentes; a segurança está na solidão; não se misture nem se associe a ninguém, pois eu ouvi um poeta dizendo:

'Ninguém há neste tempo cujo afeto se deseje,
nem amigo que nas vicissitudes seja fiel;
vive sozinho e não confies em ninguém:
é o conselho que te dou, e basta'.

A segunda, meu filho, é:
- não oprima ninguém, caso contrário o destino oprimirá você. O destino num dia está a seu favor e noutro está contra, e o que o mundo lhe dá amnhã terá de ser pago. Eu já ouvi o poeta dizer:

'Reflete e não te apresses no que almejas;
sê clemente e como tal serás reconhecido;
não existe mão sobre a qual não esteja a de Deus,
nem opressor que não será oprimido por outro'.

A terceira recomendação:
- observe o silêncio, desvie os olhos dos defeitos alheios e contenha a sua língua, pois já se dizia: 'quem observa o silêncio se salva'. Também ouvi o poeta dizer:

'Mudez é adorno e silêncio é segurança;
se acaso falares, não sejas linguarudo, pois,
ainda que alguma vez te arrependas de tua mudez,
de teres falado sempre te arrependerás'.

A quarta, meu filho:
- eu o previno contra o consumo de vinho, pois ele é o motivo de toda discórdia; o vinho faz perder o juízo. Cuidado, muito cuidado para não tomar vinho, pois eu ouvi o poeta dizer:

'Larguei o vinho, parei de bebê-lo
e de seus censores amigo virei:
é bebida que afasta do bom caminho,
e do mal escancara os portões'.

E a quinta, meu filho:
- preserve o seu dinheiro e ele o preservará; guarde o seu dinheiro e ele o guardará; não abuse de seu dinheiro, pois caso contrário você precisará de gente inferior; conserve as moedas, que são ungüento, pois eu ouvi alguém dizer:

'Se o meu dinheiro escasseia, ninguém me acompanha,
mas quando ele aumenta, companhia todos se tornam;
quanto amigo para torrar dinheiro me acompanhou,
e quanto amigo, esgotado o meu dinheiro, me abandonou"'

Aceite, pois, minhas recomendações."

(O Livro das Mil e Uma Noites - Vol I)

6 de dezembro de 2008

Loucos de Cara!!! : )

Vem
anda comigo
pelo planeta
vamos sumir!
Vem
nada nos prende
ombro no ombro
vamos sumir!


Se um dia qualquer
tudo pulsar num imenso vazio
coisas saindo do nada
indo pro nada
se mais nada existir
mesmo o que sempre chamamos REAL
e isso pra ti for tão claro
que nem percebas
se um dia qualquer
ter lucidez for o mesmo que andar
e não notares que andas
o tempo inteiro
É sinal que valeu!
Pega carona no carro que vem
se ele é azul, não importa
fica na tua...
(Vitor Ramil)

3 de dezembro de 2008

Meu presente, então... : )




O que é meu irmão!
Eu sei o que te agrada
E o que te dói,
E o que te dói...

É preciso estar tranqüilo
Pra se olhar dentro do espelho,
Refletir...
O que é? O que é?

Seja você quem for,
Eu te conheço muito bem...
Isso faz bem pra mim,
Isso faz bem pra vida...

Onde quer que vá
Eu vou estar também,
Eu vou me lembrar
Daquela canção que diz:

Parapapapa...

Bendito
Encontro
Na vida
Amigo

É tão forte quanto o vento quando sopra...
tronco forte que não quebra, não entorta!
Podes crer, podes crer,
Eu tô falando de amizade...

(Cidade Negra)

26 de novembro de 2008

Do céu...




De contar tantas estrelas,
algumas nos olhos guardei...
se lágrimas não brotaram, por dentro de certo chorei...

(Jairo Lambari Fernandes)

17 de novembro de 2008

Marolas...??







Muitos temores nascer do cansaço e da solidão...
E o descompasso e o desperdício herdeiros são
agora da virtude que perdemos...


Disseste que se tua voz tivesse força igual
À imensa dor que sentes
Teu grito acordaria
Não só a tua casa
Mas a vizinhança inteira...!!


Há tempos o encanto está ausente,
E há ferrugem nos sorrisos,
E só o acaso estende os braços
A quem procura abrigo e proteção...

(Renato Russo - "Há Tempos")

15 de novembro de 2008

queria sentir menos...




quero que me dê
em isso:
não a explicação,
mas a compreensão...
(Clarice)







o que recebemos ou não
é um reflexo do que damos ou não??



10 de novembro de 2008

Opiniões Alheias...




"Não podemos evitar que os pássaros

voem sobre nossas cabeças,
mas
podemos evitar que eles construam seus ninhos nelas".

5 de novembro de 2008

"Depois"...




Não foi dessa vez
Mas pode ter certeza
Mal posso esperar
Pra fugir da tristeza
Amanhã talvez
Vai ser um carnaval
Vão falar de mim
Pro bem ou pro mal
Tomo um café e um guaraná pra me animar
Mas ficou tão tarde
Que é melhor deixar pra lá...

Prometo, juro, garanto
Vou resolver tudo isso
Assim que tiver coragem
E mais nenhum compromisso!! :)

(Pato Fu)



2 de novembro de 2008

Por dentro...

Eu não tenho muito, quase nada,
Só a sombra do meu corpo sobre a estrada
Misturada a galhos secos...
Eu só tenho becos e perguntas,
Minha alma e minha culpa dormem juntas.

Eu não tenho frio nos meus versos,
Mas também não sei dos outros universos
Que carrego paralelos...
Eu não tenho elos, nem correntes,
Meus "fantasmas" sempre foram diferentes...

Eu não tenho ilhas num tesouro,
Um lugar em casa para o desaforo,
Nem espaço pra lamento...
Eu não tenho vento que me pegue,
Nem diabo que me agüente ou me carregue...

Eu tenho convites e te chamo,
Minha natureza está no que eu te amo...
Mesmo nesse mundo louco
Eu só tenho pouco tempo, agora posso esperar
Mas não demora...

No silêncio do vazio,
Arrastando maravilhas,
Nem vertigem, nem limites,
Daqui a pouco é outro dia...

(Marcela Biasi)

"SOS"



No cartão de procedência
Pouco importa onde nasci
Busquei rumo e me perdi
"Querência, minha querência"
Desde então me chamo ausência
Porque me apartei de ti

Como um cavaleiro andante
Das léguas que caminhava
Sempre que me aproximava
Dos sonhos correndo adiante
Mais me sentia distante
Daquilo que procurava

Quem vira mundo não pára
Nem tão pouco desanima
Há uma lei que vem de cima
Na estrada do tapejara
Tempo que nos separa
É que mais nos aproxima
Quem vira mundo não pára
Nem tão pouco desanima

E neste andejar em frente
Sem procurar recompensa
Fui vendo na diferença
Entre passado e presente
Que a lembrança de um ausente
Tem mais força que a presença

Já no final da existência
Saudade, tempo e distância
Pra conservar a fragrância
Da primitiva inocência
Me tornei canto de ausência
Querência da minha infância

(Luiz Marenco)

"Metáfora"

Uma lata existe para conter algo,
Mas quando o poeta diz lata
Pode estar querendo dizer o incontível...

Uma meta existe para ser um alvo,
Mas quando o poeta diz meta
Pode estar querendo dizer o inatingível...

Por isso não se meta a exigir do poeta
Que determine o conteúdo em sua lata.
Na lata do poeta tudo-nada cabe,
Pois ao poeta cabe fazer
Com que na lata venha caber
O incabível...

Deixe a meta do poeta, não discuta,
Deixe a sua meta fora da disputa;
Meta dentro e fora, lata absoluta,
Deixe-a simplesmente metáfora...


(Gilberto Gil)

25 de outubro de 2008

...

Busca meus olhos,
toma minha mão, se aproxime,
Este é teu lugar...
esta é tua xícara de café...
Não diga nada,
Você diz com o olhar mais do que acredita dizer...

À deriva
você leva a alma no timão.
vai pela vida,
só escutando o coração...
busca um porto,
busca um céu aberto
distante da dor...

A teu destino
quería se manter fiel
princesa ferida,
o teatro da vida
muda de papel...

("Raquel" - Drexler)


"Soledad"




Soledad,
aqui estan mis credenciales,
vengo llamando a tu puerta
desde hace un tiempo,
creo que pasaremos juntos temporales,
propongo que tu y yo nos vayamos conociendo...

Aquí estoy,
te traigo mis cicatrices,
palabras sobre papel pentagramado,
no te fijes mucho en lo que dicen,
me encontrarás
en cada cosa que he callado...

Ya pasó
ya he dejado que se empañe
la ilusión de que vivir es indoloro.
Que raro que seas tú
quien me acompañe, soledad,
a mi, que nunca supe bien
cómo estar solo...

(Drexler)

"Argumento"

Tá legal
Eu aceito o argumento
Mas não me altere o samba tanto assim
Olha que a rapaziada está sentindo a falta
De um cavaco, de um pandeiro
Ou de um tamborim

Sem preconceito
Ou mania de passado
Sem querer ficar do lado
De quem não quer navegar
Faça como um velho marinheiro
Que durante o nevoeiro
Leva o barco devagar...

(Paulinho da Viola)

"Coração Imprudente"

O que pode fazer
Um coração machucado
Senão cair no chorinho
Bater devagarinho pra não ser notado
E depois de ter chorado
Retirar de mansinho
De todo amor o espinho
Profundamente deixado

O que pode fazer
Um coração imprudente
Se não fugir um pouquinho
De seu bater descuidado
E depois de cair no chorinho
Sofrer de novo o espinho
Deixar doer novamente

(Paulinho da Viola)

Quase sem querer...

Eu perco o chão, eu não acho as palavras,
Eu ando tão triste, eu ando pela sala...
Eu perco a hora, eu chego no fim,
Eu deixo a porta aberta,
Eu não moro mais em mim...

Eu perco a chaves de casa,
Eu perco o freio,
Estou em milhares de cacos, eu estou ao meio...

Onde será que você está agora?
(Metade - Adriana Calcanhoto)

19 de outubro de 2008

"Figura Rara"




Chega sempre tão certa,
Firme e direta,
Dá seu sinal de presença...
Rara,
Linda figura, doce visão
Encantando a sala...
Leva no rosto
Uma canção que não pára mais!
Ela é quem fica melhor,
Maravilhosa pintura,
Figura rara
No coração...
(Tavinho Moura - Flávio Venturini)


15 de outubro de 2008

Mais e Menos...




Afinidade acontece. Um mesmo signo, um mesmo par de sapatos caramelo, um mesmo livro de cabeceira. Afinidade acontece entre seres humanos. A mesma frase dita ao mesmo tempo, o diálogo mudo dos olhares e a certeza das semelhanças entre o que se canta e o que se escreve. Afinação acontece. Um mesmo acorde, um mesmo som, uma mesma harmonia. Afinação acontece entre instrumentos musicais. A mesma nota repetidas vezes, a busca pela perfeição sonora e a certeza das similaridades entre um tom acima e um tom abaixo. A incrível mágica acontece quando os instrumentos musicais descobrem afinidades humanas entre si no mesmo instante em que os seres humanos descobrem afinações musicais dentro deles mesmos.

(Teatro Mágico)

13 de outubro de 2008

Pouca Vogal

Bem poderia ser esta a frase de apresentação do novo trabalho musical do duo Humberto Gessinger e Duca Leindecker. Pra quem curte Engenheiros do Hawaí e Cidadão Quem, "Pouca Vogal" vai agradar de cara. O novo projeto vai a público sexta-feira, 17/10, no Teatro Bourbon Country, em Porto Alegre, levando ao palco apenas os dois músicos e seus "brinquedinhos": violões, guitarras, viola caipira e percussão, além de teclados tocados com os pés.
Que vontade de ir, né??!!
Por enquanto, dá pra baixar as canções aqui e desfrutá-las... :)

Essa fica de "isca"... Só pra dar água na boca...

Além Da Máscara
Gessinger

agora que a terra é redonda
e o centro do universo é outro lugar
é hora de rever os planos
o mundo não é plano, não pára de girar
agora que o tempo é relativo
não há tempo perdido, não há tempo a perder

num piscar de olhos tudo se transforma
tá vendo? já passou!
mas ao mesmo tempo
fica o sentimento
de um mundo sempre igual
igual ao que já era
de onde menos se espera
dali mesmo é que não vem

agora que tudo está exposto
a máscara e o rosto trocam de lugar
tô fora se esse é o caminho
se a vida é um filme, eu não conheço diretor
tô fora, sigo o meu caminho
às vezes tô sozinho, quase sempre tô em paz

num piscar de olhos tudo se transforma
tá vendo? já passou!
mas ao mesmo tempo
esse mundo em movimento
parece não mudar
é igual ao que já era
de onde menos se espera
dali mesmo é que não vem

visão de raio-x
o x dessa questão
é ver além da máscara
além do que é sabido, além do que é sentido
ver além da máscara...

10 de outubro de 2008

Eu que não amo...




[...]
Envelheci
Dez anos ou mais
Nesse último mês...

Senti saudade
Vontade de voltar
Fazer a coisa certa
Aqui é o meu lugar
Mas sabe como é
Difícil encontrar
A palavra certa
A hora certa de voltar
A porta aberta
A hora certa de chegar...

O certo é que eu dancei
Sem querer dançar
E agora já nem sei
Qual é o meu lugar
Dia e noite sem parar
Procurei sem encontrar
A palavra certa
A hora certa de voltar
A porta aberta
A hora certa de chegar...


('Eu Que Não Amo Você - Humberto Gessinger)

9 de outubro de 2008

"A mais..."




Composição: Pedro Luís - Herbert Vianna

Não quero um dia a mais
Quero um dia de paz
Não quero o vendaval
Só o sono e o sonho dos mortais

Não leve a mal
Sou só mais um
Quero uma noite tranqüila
Um amanhecer comum

Ainda é possível respirar
As cores ainda trazem emoção
Um verso pra fazer uma canção
Às vezes tem a força da bomba nuclear

Outono também traz inspiração
Tantos invernos já inesquecíveis
Nas madrugadas mornas do verão
Na simplicidade eu vejo as coisas mais incríveis

6 de outubro de 2008

"Palavra Forte"

Composição: Paula Toller/ George Israel


Minhas palavras não são tão doces
Eu tenho uma conversa esquisita
Meu vinho não é tão suave

Eu tenho um gosto sutil
Minha maçã não é tão vermelha
Eu tenho uma cor discreta

Eu falo baixo

Coisas pequenas
Pra pouca gente

Mas procuro sempre...

Minhas palavras não são tão certas
Eu tenho uma certeza esquisita

Meus sentimentos não são comuns
Eu sinto coisas que mudam
Meu corpo não é tão real

Eu ando
, eu ando,
Eu ando por outros mundos

Meus desejos não são simples

Eu so
nho, eu sonho,
Eu sonho com o impossível

Eu falo baixo

Coisas pequenas

Pra pouca gente
Mas procuro sempre
A Palavra forte...


30 de setembro de 2008

Gente nova no pedaço... : )




Voa, coração
, a minha força te conduz,
que o sol de um novo amor em breve vai brilhar
...
Vara a escuridão, vai onde a noite esconde a luz,

Clareia seu caminho e acende seu olhar.

Vai onde a aurora mora e acorda um lindo dia,

colhe a mais bela flor que alguém já viu nascer;

e não esqueça de trazer força e magia,

o sonho e a fantasia, e a alegria de viver...!!


Voa, coração
, que ele não deve demorar
e tanta coisa a mais quero lhe oferecer...

O brilho da paixão, pede a uma estrela pra emprestar
e traga junto a fé num novo amanhecer...!
Convida as luas cheia, minguante e crescente,
e de onde se planta a paz, da paz quero a raiz;
E uma casinha lá onde mora o sol poente,
pra finalmente a gente simplesmente ser feliz...!! : )


(Ao Que Vai Chegar - Toquinho)


"grandes coisas fez o Senhor está fazendo, por isso estamos alegres!!"

29 de setembro de 2008

Depois do Perigo




Não, não me aqueça!

Hoje eu quero o frio, o vazio

Que a sorte deixou aqui...
Quero sentir a altura do abismo

Pra eu poder subir depois do perigo

Quero sentir a altura do abismo

Não, não me acalme com silabas doces

Hoje eu quero o açoite das palavras rudes

Pra que eu possa me defender em atitudes

Não, por favor hoje não me proteja
Para que eu finalmente veja
O que a vida reservou pra mim...

(Zélia Duncan)


... de fé...




A amizade é casa construída aos poucos, com portão bem largo que é pra se entrar sorrindo nas horas incertas... sem fazer alarde, sem causar transtorno... Amigo que é amigo, quando quer estar presente, faz-se quase transparente, sem deixar-se perceber... Amigo é pra ficar, se chegar, se achegar, se abraçar, se beijar, se louvar, bendizer... Amigo a gente acolhe, recolhe e agasalha e oferece lugar pra dormir e comer. Amigo que é amigo não puxa tapete, oferece pra gente o melhor que tem e o que nem tem! Quando não tem, finge que tem, faz o que pode e o seu coração reparte que nem pão..

(Zélia Duncan)

"Alguém cantando..." : )




Alguém cantando longe daqui

Alguém cantando longe, longe
Alguém cantando muito
Alguém cantando bem
Alguém cantando é bom de se ouvir...
Alguém cantando alguma canção
A voz de alguém nessa imensidão
A voz de alguém que canta
A voz de um certo alguém
Que canta como que pra ninguém
A voz de alguém quando vem do coração
De quem mantém toda a pureza
Da natureza
Onde não há pecado nem perdão...
(Caetano Veloso)

Foi bom ouvir... Mesmo... Pra valer...
Obrigada por fazer meu coração feliz...
É! Você mesmo!! : )

28 de setembro de 2008

"Filme Antigo"




Cenas de um filme mudo

Não ligo
E falas sem sentido na televisão...

Meus temores são descritos num livro,
Romances, vídeos, ficção...
Já passou e eu não sei
Se quero ir...(!!)
Quando chegar,
Telefono para poucos amigos,

Onde chegar...

Nas paredes vejo quadros antigos,
Rascunhos de poemas pelo chão...
Se as paredes têm ouvidos,
Não ligo,
Perdeu a importância ter razão...

Já passou e eu não sei
Se quero ir... (...)
Onde chegar,
Telefono para poucos amigos,
Quando chegar...

(Cris Braun e André Estrella)

"Poder do Amor" x "Amor ao Poder"

Santo Agostinho sugere que há dois tipos de política. A política do “poder do amor”, a que ele deu o nome de Cidade de Deus, e a política do “amor ao poder”, a que ele deu o nome de Cidade dos Homens. Tudo tem a ver com a forma como “poder” e “amor” se relacionam. Pensada utopicamente, a política do “poder do amor” pode ser definida como a arte da jardinagem aplicada às coisas públicas. Jardinagem é a arte e a técnica que busca estabelecer harmonia entre o homem e a natureza. Jardins são espaços que o amor modelou no sentido de que sejam belos e seguros. Neles não existe o medo e o corpo experimenta a exuberância dos sentidos. Nos jardins, o homem e a natureza estão reconciliados, são amigos. Nessa política, o poder é ferramenta e instrumento do amor: esse é o sentido da ética. Ética é, sempre, limitação do poder. Pensada realisticamente, a “política do amor ao poder” é o conjunto de artimanhas que tem por objetivo estabelecer o poder de um grupo sobre um determinado território. Nessa política, os sonhos de amor estão subordinados e a serviço do poder. O que significa que nela o poder é o valor supremo e não existe uma ética que o controle.


(Sobre os dois tipos de política - Rubem Alves)


Em tempos de eleições, que bom que tivéssemos "jardineiros" competentes e comprometidos em quem pudéssemos votar... E que, depois de eleitos, não esquecessem que o poder deve ser instrumento do amor...

Utopia...??


27 de setembro de 2008

Dias atrás...

Há dias em que chove dentro de mim.
Não uma tempestade,

Mas uma garoa fina e fria que me

Toma de assalto.

Nesses dias a vida sofre para viver.

Nada pode ser feito,
Nada agasalha a alma doída,

Ao relento.

É antes uma névoa que me impede
A expressão,

Do que a ausência do que se pode

Expressar.

Em dias assim eu me recolho incompleta

E não me exponho ao sol,
Posto que seus raios não me penetram.

Em dias assim devo lembrar: isso passa.

Nesses dias, deixo-me chover e escoar...
("Chuva" - Cássia Janeiro)

21 de setembro de 2008

Lunetas e Estrelas


Havia um homem apaixonado pelas estrelas. Para ver melhor as estrelas, ele inventou a luneta. Aí formou-se uma escola para estudar a sua luneta. Desmontaram a luneta. Analisaram a luneta por dentro e por fora. Observaram os seus encaixes. Mediram as suas lentes. Estudaram a sua física óptica. Sobre a luneta de ver as estrelas escreveram muitas teses de doutoramento. E muitos congressos aconteceram para analisar a luneta. Tão fascinados ficaram pela luneta que nunca olharam para as estrelas...
(Rubem Alves)

20 de setembro de 2008

Hehehe...

“...e cuidado se algum mineiro o convidar pra pescar. Pois dizem que aconteceu de verdade. Um mineiro e um paulista estavam pescando, assentados à beira do rio, pitando um cigarrinho de palha, bebendo uma pinguinha, vida que se pediu a Deus – até que se ouviu um miado no mato. “Que miado é esse?”, perguntou assustado o paulista. “Acho que é miado de onça...”, respondeu o mineiro sem se mexer. Outro miado mais forte. “Parece que a onça está vindo pra cá...”, disse o paulista. “É, está vindo pra cá”, disse calmamente o mineiro. Um outro rugido terrível. O paulista se apavorou. O mineiro calmamente abriu o embornal, tirou de lá de dentro um par de tênis que se pôs a calçar. “Você está louco??”, disse o paulista. “Acha que vai correr mais depressa que a onça?” “Não, não vou correr mais depressa que a onça. O que quero é correr mais depressa que você...”

(Rubem Alves, in ‘Ostra Feliz Não Faz Pérola’)

Hoje...



Hoje eu acordei mais cedo
Tomei sozinho o chimarrão
Procurei a noite na memória... procurei em vão
Hoje eu acordei mais leve (nem li o jornal)
Tudo deve estar suspenso... nada deve pesar
Já vivi tanta coisa, tenho tantas a viver
Tô no meio da estrada e nenhuma derrota vai me vencer
Hoje eu acordei livre: não devo nada a ninguém
Não há nada que me prenda...

Ainda era noite, esperei o dia amanhecer
Como quem aquece a água sem deixar ferver
Hoje eu acordei, agora eu sei viver no escuro
Até que a chama se acenda
Verde... quente... erva... ventre... dentro... entranhas
Mate amargo noite adentro estrada estranha...

Nunca me deram mole, não (melhor assim)
Não sou a fim de pactuar (sai pra lá)
Se pensam que tenho as mãos vazias e frias (melhor assim)
Se pensam que as minhas mãos estão presas (surpresa)

Mãos e coração, livres e quentes: chimarrão e leveza
Mãos e coração, livres e quentes: chimarrão e leveza

(Humberto Gessinger)

...

Tudo que eu fiz
Foi ouvir o que o meu peito diz:
"Que apesar de toda mágoa
Vale a pena toda luta
Para ser feliz"
Tudo que eu fiz foi seguir a mesma diretriz,
Confiando e acreditando
Que na vida todo mundo pode ser feliz!
É preciso crer no coração,
Porque se não
Não tem razão de se viver;
E eu quero ver
Nascer um tempo bom...

(A Gente Merece ser Feliz - Ivan Lins / Paulo Cesar Pinheiro)

18 de setembro de 2008

Emaranhados...

O Castelo Dos Destinos Cruzados

Carloz Maltz, Ricardo Horn, Kleber Lucio

Quando você me disse que não era nada
Daquilo que a gente sempre imaginou
Um vento frio soprou, uma janela bateu
Na noite escura da alma
Quando você me olhou daquele jeito
Que só você olhava
Um passarinho voou baixinho
Deixou prá trás tudo que acreditava
Quando as paredes e o teto cairam
Eu pensei que era o final
Mas era só o começo de um problema
Só um pesadelo normal
Lembra de mim, você me enlouquece
A cabeça diz que é besteira
Mas o coração não esquece
No castelo dos destinos que se cruzam no tempo
Ninguém liga se já foi ou se ainda pode ser
Uma criança que nasceu em 62
Uma mulher que eu conheci em 43
Os dias passam le
ntamente prá quem pensa nos dias
Semanas e semanas só pensando em você
O tempo pinga lento, dentro do meu talismã
Nas estrelas de ce
ntauro, hoje é o ontem do amanhã
Lembra de mim...
No castelo dos destinos cruzados
O viajante que chegou pode ser você
Eu fiz de tudo que eu pude para te esquecer
A morte vive aqui do lado só que a gente não vê
Uma pessoa que ficou perdida
Uma pes
soa que caiu do céu
Uma pessoa que você já conhecia
Muito antes de nascer e que você perdeu....



Sinais dos Tempos...


É preciso fazer uma canção,
Um trato, uma entrega, uma doação...
É preciso a chuva escura, a noite, a solidão...
É preciso tudo agora!
Um dissabor, uma vitória, uma confissão,
A voz de um instrumento e a tua mão,
Que nos faça acordar...

Sim
Meias palavras não bastam!
É preciso acordar,
É preciso mergulhar mais que mil pés,
Onde Netuno traça o rumo das marés...

É preciso acertar a direção dos pés
Quando os velhos caminhos se esgotam
E os tempos não voltam,
Não voltam...

É preciso alcançar outra estação,
Mesmo com sono, mesmo cansado, solto como um cão,
É preciso o sol e a rua, a tarde, a multidão...
É preciso atravessar lá fora
Um corredor, um rio da história, uma revolução,
O caos de uma palavra nova, um sim e um não,
Que nos faça acordar...

Sim,
Meias palavras não bastam,
É preciso acordar,
É preciso mergulhar...
(Antonio Villeroy)



17 de setembro de 2008

Caminhos...


“A trajetória de nossa vida pode parecer definitivamente marcada por certas situações. Nossa vida, entretanto, conserva sempre todas as possibilidades de mudança e conversão que estiverem ao nosso alcance. E tais possibilidades são tanto maiores, quanto mais abrigarmos em nós de infância, de gratidão, de capacidade de amar.”
(Hermann Hesse)


15 de setembro de 2008

Inteligência Emocional...

Citando Rubem Alves, "fez e ainda faz muito sucesso um livro com esse título, Inteligência Emocional. Mas o professor Eduardo Chaves fez uma observação muitíssimo correta: 'Não existe inteligência emocional. O que existe é emoção inteligente'. É a emoção que busca inteligência para realizar os seus sonhos".


Será possível amar e odiar ao mesmo tempo??
Charlie Shedd conta que achou o seguinte bilhete sobre o balcão da cozinha depois de uma discussão com sua mulher:
Querido Charlie!
Eu o odeio.
Com amor, Martha.

Hehehe... vê se pode??!!!

3 de setembro de 2008

Olhos da fé...



Onde estava Deus quando precisei?

Onde estava Deus quando me faltaram

os que mais amei, os que me amaram?

Onde estava Deus quando fiquei só?
Onde estava Deus quando não entendia

o tamanho dó que por mim sentia?

Sempre esteve aqui quando mais precisou o teu coração...
Te acalentou, te deu os braços, pegou tua mão e contigo chorou...

Sempre esteve aqui, foi teu guardião no teu pouco dormir...
Te fez continuar, prosseguir, para cumprir a missão de amar...

E reserva para ti muito mais o que fazer...
Coisas que o coração muitas vezes não pode entender...

(Charles Ferreira - in "Gente por Gente")

30 de agosto de 2008

Domingo e Feriado

Hoje eu andando na beira do rio
Quase morri de frio, quase caí de susto

Mas passado esse momento, achei tudo tão mais justo

Hoje eu saindo de dentro de casa
Quase caí na vala, quase quebrei a cara

Mas depois daquele instante, gostei muito mais que antes

Ás vezes fico triste sem motivo vem um pessimismo danado
Não dou conta do recado, quero descer desse bonde
Quero brincar de outra coisa tudo sem ca
usa aparente
Loucura que a gente sente, em domingo e feriado

Mas como veio se vai sem aviso

Música sem sentido, morto mais um domingo

Um sofrimento por nada, segunda-feira não tarda
Mas como veio se vai sem aviso
Música sem sentido, morto mais um domingo
Um sofrimento por nada, segunda-feira não tarda
(Fred Martins)


Ouvir o "sino"...



Na estrada de minha casa há um pasto. Dois cavalos vivem lá.
De longe, parecem cavalos como os outros cavalos, mas, quando
se olha bem, percebe-se que um deles é cego. Contudo, o
dono não se desfez dele e arrumou-lhe um amigo - um cavalo mais jovem.
Isso já é de se admirar.
Se você ficar observando, ouvirá um sino. Procurando de onde vem o som,
você verá que há um pequeno sino no pescoço do cavalo menor.
Assim, o cavalo cego sabe onde está seu companheiro e vai até ele.
Ambos passam os dias comendo e no final do dia o cavalo cego segue o
companheiro até o estábulo.
E você percebe que o cavalo com o sino está sempre olhando se o outro o
acompanha e, às vezes, pára para que o outro possa alcançá-lo.
E o cavalo cego guia-se pelo som do sino, confiante que o outro o está
levando para o caminho certo.
Como o dono desses dois cavalos, Deus não se desfaz de nós só porque não
somos perfeitos, ou porque temos problemas ou desafios.
Ele cuida de nós e faz com que outras pessoas venham em
nosso auxílio quando precisamos.

Algumas vezes somos o cavalo cego guiado pelo som do sino daqueles
que Deus coloca em nossas vidas.
Outras vezes, somos o cavalo que guia, ajudando outros a encontrar seu caminho.


E assim são os bons amigos. Você não precisa vê-los, mas eles estão lá.

Por favor, ouça o meu sino. Eu também ouvirei o seu.

28 de agosto de 2008

boa água




Eu quis amar mais tive medo
E quis salvar meu coração
Mas o amor sabe um segredo
O medo pode matar o seu coração
Água de beber
Água de beber camará
Água de beber
Água de beber camará
Eu nunca fiz coisa tão certa
Entrei pra escola do perdão
A minha casa vive aberta
Abri todas as portas do coração
Água de beber
Água de beber camará
Água de beber
Água de beber camará
Eu sempre tive uma certeza
Que só me deu desilusão
É que o amor é uma tristeza
Muita mágoa demais para um coração
Água de beber
Água de beber camará
Água de beber
Água de beber camará
(Quarteto em Cy)